PF faz busca e apreensão contra suspeitos de fraudar prova do Enem no PA

Investigações apontaram que um dos suspeitos, que fez a prova em uma escola de Benevides, usou um celular para fotografar questões e enviar para uma outra pessoa Operação da PF cumpre mandado de busca e apreensão em suspeitos de fraudar Enem A Polícia Federal cumpriu nesta quinta-feira (2), em Belém, mandados de busca e apreensão na casa de duas pessoas suspeitas de fraudar a prova no Enem, no último domingo (28). Foram recolhidos celulares e documentos. As investigações apontaram que um dos suspeitos, que fez a prova em uma escola de Benevides, usou um celular para fotografar questões e enviar para uma outra pessoa. Essa pessoa, por sua vez, repassou as fotos para especialistas nos temas, previamente contratados. A denúncia foi feita por um dos especialistas que conseguiu identificar que se tratavam de questões desse ano. Na casa foram encontrados um caderno com um gabarito do exame e números da chave Pix de, pelo menos, sete especialistas. A polícia apura ainda a suspeita de que não houve controle da entrada de celulares na escola de Benevides onde um dos suspeitos fez a prova. Todo material vai ser periciado. A pena por fraudes em concurso público pode chegar a quatro anos de prisão, além de multa.

PF faz busca e apreensão contra suspeitos de fraudar prova do Enem no PA
Investigações apontaram que um dos suspeitos, que fez a prova em uma escola de Benevides, usou um celular para fotografar questões e enviar para uma outra pessoa Operação da PF cumpre mandado de busca e apreensão em suspeitos de fraudar Enem A Polícia Federal cumpriu nesta quinta-feira (2), em Belém, mandados de busca e apreensão na casa de duas pessoas suspeitas de fraudar a prova no Enem, no último domingo (28). Foram recolhidos celulares e documentos. As investigações apontaram que um dos suspeitos, que fez a prova em uma escola de Benevides, usou um celular para fotografar questões e enviar para uma outra pessoa. Essa pessoa, por sua vez, repassou as fotos para especialistas nos temas, previamente contratados. A denúncia foi feita por um dos especialistas que conseguiu identificar que se tratavam de questões desse ano. Na casa foram encontrados um caderno com um gabarito do exame e números da chave Pix de, pelo menos, sete especialistas. A polícia apura ainda a suspeita de que não houve controle da entrada de celulares na escola de Benevides onde um dos suspeitos fez a prova. Todo material vai ser periciado. A pena por fraudes em concurso público pode chegar a quatro anos de prisão, além de multa.