França decreta fechamento de baladas em meio a mais restrições contra a Covid-19 antes do fim do ano

Medida deve durar ao menos quatro semanas e visa conter a dispersão do coronavírus. Segurança confere passaporte sanitário de cliente em entrada de casa noturna em Saint-Jean-de-Monts, na França, em 10 de julho Sebastien Salom-Gomis/AFP O governo da França decretou nesta segunda-feira (6) o fechamento de baladas pelas próximas quatro semanas para conter a dispersão da Covid-19 antes das festas de fim do ano. O primeiro-ministro Jean Castex negou a necessidade de impôr medidas de lockdown ou toque de recolher, como foi no Natal do ano passado. Castex fez também um apelo aos cidadãos para que limitassem as festas familiares e evitassem as confraternizações de empresas. LEIA TAMBÉM: Dezenas de trabalhadores de UTI espanhola têm diagnóstico positivo para Covid após festa de Natal Noruega registra 60 casos de Covid ligados a festa de confraternização; há suspeita de ômicron Mais restrições nas escolas O governo francês também avalia reforçar as restrições nas escolas devido ao aumento dos casos de Covid-19 no país. A incidência de casos da infecção em crianças vem aumentado na França, mas fontes do governo ouvidas pela agência France Presse afirmam que as férias não serão adiantadas. Entre as medidas que serão anunciadas antes do fim do ano estão o uso obrigatório de máscaras também em ambientes abertos das escolas e a limitação de alunos nos refeitórios. Pátio de escola francesa em imagem ilustrativa dwalters0512/Creative Commons Mais vacinação A poucas semanas das festas de fim de ano, o governo busca impulsionar a vacinação – 10 milhões de franceses já receberam a dose de reforço. A França também voltará a incentivar as medidas de distanciamento, e inclusive avalia a possibilidade de recorrer ao trabalho remoto. O país registrou um aumento no número de hospitalizações, que nesta segunda-feira ultrapassaram as 11 mil, algo que não acontecia desde o final de agosto. Mesmo que quase todos os casos continuem sendo vinculados à variante delta, outra das preocupações é a propagação da ômicron. Segundo o mais recente balanço oficial, nesta segunda-feira a França confirmou 25 casos desta cepa.

França decreta fechamento de baladas em meio a mais restrições contra a Covid-19 antes do fim do ano

Medida deve durar ao menos quatro semanas e visa conter a dispersão do coronavírus. Segurança confere passaporte sanitário de cliente em entrada de casa noturna em Saint-Jean-de-Monts, na França, em 10 de julho Sebastien Salom-Gomis/AFP O governo da França decretou nesta segunda-feira (6) o fechamento de baladas pelas próximas quatro semanas para conter a dispersão da Covid-19 antes das festas de fim do ano. O primeiro-ministro Jean Castex negou a necessidade de impôr medidas de lockdown ou toque de recolher, como foi no Natal do ano passado. Castex fez também um apelo aos cidadãos para que limitassem as festas familiares e evitassem as confraternizações de empresas. LEIA TAMBÉM: Dezenas de trabalhadores de UTI espanhola têm diagnóstico positivo para Covid após festa de Natal Noruega registra 60 casos de Covid ligados a festa de confraternização; há suspeita de ômicron Mais restrições nas escolas O governo francês também avalia reforçar as restrições nas escolas devido ao aumento dos casos de Covid-19 no país. A incidência de casos da infecção em crianças vem aumentado na França, mas fontes do governo ouvidas pela agência France Presse afirmam que as férias não serão adiantadas. Entre as medidas que serão anunciadas antes do fim do ano estão o uso obrigatório de máscaras também em ambientes abertos das escolas e a limitação de alunos nos refeitórios. Pátio de escola francesa em imagem ilustrativa dwalters0512/Creative Commons Mais vacinação A poucas semanas das festas de fim de ano, o governo busca impulsionar a vacinação – 10 milhões de franceses já receberam a dose de reforço. A França também voltará a incentivar as medidas de distanciamento, e inclusive avalia a possibilidade de recorrer ao trabalho remoto. O país registrou um aumento no número de hospitalizações, que nesta segunda-feira ultrapassaram as 11 mil, algo que não acontecia desde o final de agosto. Mesmo que quase todos os casos continuem sendo vinculados à variante delta, outra das preocupações é a propagação da ômicron. Segundo o mais recente balanço oficial, nesta segunda-feira a França confirmou 25 casos desta cepa.